Os três tipos de endividado


#

Por Danylo Martins

Dívidas, dívidas e mais dívidas. Essa palavrinha virou algo muito comum atualmente. Diversas pesquisas apontam que o brasileiro não faz planejamento financeiro e acaba se enforcando. Para alguns especialistas, como a psicanalista Márcia Tolotti, existe hoje em dia certo "vício de dívida". Na prática, as pessoas acabam encarando a corda no pescoço como algo natural, sem perceber o lado negativo de se estar endividado. Márcia defende que existem três tipos de pessoas endividadas. Veja quais são e, se você faz parte de um dos perfis, saiba como sair dessa situação:

1. O endividado passivo: é a pessoa que passou por algum imprevisto, uma condição adversa externa que pode levar à dívida. Por exemplo, morte, separação, adoecimento, acidente e desemprego. Nesse caso, é mais fácil de fugir do endividamento porque os débitos surgiram em decorrência de determinado evento, não por descontrole financeiro.

2. O endividado ativo: trata-se da pessoa que se endivida frequentemente. "Não é uma questão só financeira. Tem componentes psicológicos envolvidos. Inconscientemente, a dívida se torna algo natural e a pessoa "perde a mão" e não consegue ficar sem se endividar", diz Márcia. Na prática, é o que ela também chama de endividamento emocional.

3. O superendividado (ou sobre-endividado): é a consequência do endividado ativo, ou seja, a pessoa não consegue parar de ter dívidas e se torna inadimplente. Do ponto de vista psicológico, a cabeça funciona em torno da tomada de crédito, sem pensar na redução das dívidas e de limpar o nome. Para encarar o problema de frente, é importante conhecer a frequência com que as dívidas acontecem. É um indicador fundamental para perceber esse comportamento. Em seguida, outro exercício é o autoconhecimento. "Quais são as razões, influências psicológicas que estão levando a comprar excessivamente, a se endividar, tomar crédito? É por que a pessoa quer se sentir melhor, ter um melhor padrão de vida? É preciso descobrir esse motivadores emocionais", explica a psicanalista.




Recomendamos para você

Há três anos perdi o emprego e não consegui mais colocação no mercado. Nesse período, depois de consumir todas as minhas reservas, comecei a fazer empréstimos para sobreviver.

Conheça o SCR, sistema que vai ajudá-lo a fazer uma radiografia da sua dívida

Financiar compras de supermercado, pagar o celular em 12 vezes, geladeira em 24 prestações. Você costuma fazer isso? Então repense. A orientação para 2017 é investir na mudança de hábito urgentemente. Selecionamos algumas sugestões de especialistas que vão ajudar.




Participe desta comunidade, você tem dúvidas sobre finanças pessoais?