Aposentados e casados


#

Uma pesquisa da Fidelity Investments, uma das maiores empresas de gestão de fundos dos EUA, mostrou que os casais não conversam sobre aposentadoria. Eles falam sobre seus filhos, sobre viagens e a troca do carro. Mas quando o assunto é o próprio futuro, não tem conversa. 

Este é um assunto tão sério quanto os rumos do casamento. Se há uma expectativa de que não vão se separar mesmo depois de aposentados, nada mais natural que planejar esses dias em conjunto. Isso leva a um ganho de escala e a uma maior atenção ao investimento, já que o casal poderá avaliar periodicamente como a conta da aposentadoria está evoluindo e, juntos, identificar as correções necessárias.

Mas como um casal, nos seus 30 ou mesmo 40 anos de idade, pode avaliar e planejar um futuro que está 30 ou 20 anos à frente? O ponto de partida é estar certo de que se trata de um relacionamento longo. Se não houver esta certeza, nenhum dos dois se sentirá confortável para uma conversa conjunta sobre aposentadoria e, neste caso, a discussão pode começar pela relação em si, o que não deixa de ser um ponto positivo.
Os consultores financeiros pessoais dizem que avaliar o estilo de vida que se quer depois de aposentado vem antes de definir a carteira de investimento ideal. Qual a cidade para morar? Muitas viagens? Ficar com os netos? E o plano de saúde?

É só o começo, muitas outras perguntas deverão ser respondidas ao longo da acumulação dos recursos para a aposentadoria. Como o caminho é longo, muitas decisões de hoje poderão já não ser as mesmas amanhã. Não importa, vocês podem fazer os ajustes caminhando. Mas o fato é que, mesmo com mudanças inevitáveis ao longo do caminho, a construção desse patrimônio destinado à aposentadoria é importante, para não desembarcar no futuro completamente perdido.

Um ponto para o qual os consultores sempre chamam a atenção: o custo de saúde. Sabe-se que ele será muito alto depois dos 60 anos e que, provavelmente, seu empregador vai se recusar a cobrir essas despesas. Mas, se escolher viver numa cidade do interior com bons padrões de assistência médica, esse é um custo que poderá se reduzir bastante. Pode acreditar, há casos de cidades menores em que a qualidade de vida aumenta e o custo cai consideravelmente em relação aos grandes centros. Vale a pena levar em conta essa opção? A resposta, sem dúvida, vai variar de casal para casal.

Outro aspecto relevante nesta discussão é se realmente o casal vai parar de trabalhar, ou qual dos dois vai parar de trabalhar ou ainda se vão iniciar uma nova carreira ou um negócio próprio. As opções são inúmeras, mas precisam ser avaliadas em conjunto. Juntar dinheiro sem planejamento pode se revelar um erro tão grave quanto não guardar dinheiro algum.
Isso porque, é o planejamento que vai orientá-lo quanto a melhor diversificação para sua carteira de investimento. Você precisará considerar aspectos como: o prazo do investimento – para saber qual a fatia de sua carteira poderá ser destinada ao mercado de ações -; o lugar onde vai morar - para ter em conta o custo de vida da cidade -; a melhor moeda para fazer sua reserva – caso sua opção seja viver no exterior etc.

Desconfie de respostas simplistas quando o assunto é aposentadoria. Ir ao banco e comprar o primeiro PGBL que lhe ofereçam não é o caminho mais seguro. Esses planos de previdência, apesar de modernos e bons – pois carregam um benefício fiscal que ajuda na construção do patrimônio de longo prazo -, demandam muita pesquisa e cautela na hora da escolha.
Lembre-se sempre que aposentadoria é mais do que guardar dinheiro, é planejamento e não há uma receita única. Aposentadoria tem que ser feita sob medida.






Participe desta comunidade, você tem dúvidas sobre finanças pessoais?